Acordos comerciais flexibilizam protecionismo, diz economista

Em meio ao crescente protecionismo pelo mundo, acordos de livre comércio entre blocos como o da União Europeia com o Mercado Comum do Sul (Mercosul, formado por Argentina, Brasil, Paraguai e Uruguai) garantem acesso a mercados, avaliou a economista franco-britânica Emily Rees, ex-adida da França no Brasil, no 7º Fórum de Agricultura da América do Sul – Da Produção ao Mercado – Global e Sustentável. 
O acordo entre União Europeia e Mercosul foi fechado em junho.“Em um mundo com protecionismo crescente, tem que buscar esses contratos de comércio entre os blocos. Isso assegura o acesso, a abertura de mercados que estão se fechando”, disse.
Para Emily Rees, o acordo de livre comércio dará impulso ao comércio exterior. Entretanto, ela destacou também as negociações, já avançadas, do Mercosul com Canadá, Cingapura e Coreia do Norte, além das expectativas de negociação com o Japão. A economista considera  “um avanço” a conclusão das negociações de acordo de livre comércio entre o Mercosul e o EFTA, bloco de países europeus formado por Suíça, Noruega, Islândia e Liechtenstein.
Emily Rees lembrou que a União Europeia e o Mercosul representam 25% do Produto Interno Bruto (PIB) global. “São 773 milhões de pessoas com variedade de demandas e de produtos”, ressaltou. Outro aspecto destacado pela economista é que a União Europeia é um “mercado qualificador”. “O produto exportado para o Mercosul ‘ganha um selo de qualidade’ para exportar para o mundo inteiro, ou seja, abre outros mercados”, ressaltou.
A representante da Conselho Agropecuário da América do Sul (CAS), formado pelos ministros de Agricultura da Argentina, Bolívia, Brasil, Chile, Paraguai e Uruguai, Maria Noel Ackerman, afirmou que a União Europeia é um parceiro comercial estratégico. “A União Europeia é um dos principais demandantes de produtos de bens de base agrária – 18% das vendas de bens base agrária do Mercosul vão a esse destino. Há alto grau de complementariedade entre as regiões”.
O moderador do painel, coordenador-geral de Acesso a Mercados da Secretaria de Comércio e Relações Internacionais do Ministério da Agricultura, Gustavo Cupertino Domingues, destacou que o acordo vai ajudar a diversificar a pauta de exportações brasileiras, mas ponderou que deve estimular também as importações. “O acordo vai abrir uma frente muito importante de comércio, mas vai crescer muito em importação também”, disse.
Guerra comercial
Ainda na apresentação do painel, Emily Rees, destacou que o protecionismo no mundo está crescente e vai além da guerra comercial entre os Estados Unidos e a China.
95% do comércio internacional ocorre entre outros países [sem a participação de Estados Unidos e China]. Em 2018, três quartos das novas barreiras e distorções não tinha nada a ver com a guerra comercial”, disse no painel com o tema União Europeia e Mercosul – Produção sul-americana conectada com a Europa.
No fórum, que começou, especialistas debateram sobre a guerra comercial e destacaram que ganhos do Brasil com ela são temporários, a exemplo do aumento das exportações da soja.
Para encontrar soluções para os conflitos comerciais, o diretor da Divisão Agrícola e de Commodities da Organização Mundial do Comércio (OMC), Edwini Kessie, defendeu a necessidade do fortalecimento da Organização, passando por sua reformulação. “Precisamos nos reinventar de uma forma mais pró-ativa, países estão assinando acordos bilaterais devido à frustração que eles têm com a OMC”, afirmou. Para Kessie, essa reformulação é essencial para que os sistemas multilaterais sejam mais efetivos.


Agência Brasil

 

Redação Paraná em Fotos

Portal Paraná em Fotos

Deixe uma resposta