Confiança da micro e pequena empresa cai 7,6% desde o início do ano, mostra indicador CNDL/SPC Brasil

Para 53% dos pessimistas com a economia, incertezas políticas justificam sentimento negativo; já 43% dos otimistas apoiam decisões da equipe econômica do governo; 32% relataram melhora nos próprios negócios e 31%, piora
As expectativas frustradas de que haveria uma consolidação no processo de retomada econômica já impõem seus efeitos sobre as empresas de menor porte. Dados apurados pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) mostram que o Indicador de Confiança da Micro e Pequena Empresa caiu 7,6% no último mês de julho na comparação com janeiro deste ano. Na abertura de 2019, a confiança do pequeno empresário havia atingido o maior patamar desde maio de 2015, com 65,7 pontos. Desde então, esse número vem recuando sucessivamente, até atingir 59,4 pontos em junho, com uma pequena recuperação para 60,6 pontos em julho passado.
Pela metodologia do indicador, a confiança é medida em uma escala de zero a 100 pontos, sendo que quanto mais próximo de 100, maior é a confiança com a economia e seus negócios e, quanto mais perto de zero, menos confiantes estão os micro e pequenos empresários.
Em termos percentuais, 66% dos micro e pequenos empresários estão otimistas com o futuro da economia do país, percentual inferior aos 82% constatados em janeiro deste ano. Já o número de empresários pessimistas passou de 5% para 12% em um intervalo de seis meses, enquanto 21% acreditam em uma estabilidade. Ainda que tenha havido uma piora nas expectativas ao longo deste ano, a percepção atual de otimismo supera o observado no mesmo período do ano passado, quando apenas 39% dos empresários ouvidos estavam confiantes com a economia do país e 24% declaradamente pessimistas.
Na avaliação do presidente da CNDL, José Cesar da Costa, com o debate acerca da previdência praticamente superado, espera-se que a atividade econômica possa ganhar força com as recentes medidas de estimulo anunciadas pelo governo. “A liberação dos saques do FGTS são um alento para consumidores e empresários, seja para impulsionar o consumo ou recuperar o crédito de quem está inadimplente. A proximidade de datas comemorativas importantes como Dia das Crianças, Black Friday e até mesmo a recém-criada “Semana do Brasil”, em setembro, podem ajudar empresários a reduzirem estoques e salvar perdas do ano. Além disso, o novo ciclo de queda da Selic e o início das discussões da reforma tributária também têm potencial de injetar ânimo no empresariado”, afirma Costa.
43% dos otimistas com a economia apoiam medidas econômicas do governo; para 53% dos pessimistas, incertezas  na política podem atrapalhar economia
Entre os empresários otimistas com o futuro da economia do país (66%), o item que mais pesa é o fato de concordarem com as medidas econômicas que vem sendo tomadas pela atual equipe do governo, com 43% de citações. Já 32% confiam em um cenário político mais favorável, enquanto 31% não sabem explicar as razões do sentimento.
Por outro lado, considerando apenas os pessimistas com a economia (12%), o fator principal são as incertezas no campo político, que podem atrapalhar o andamento do governo, com 53% de menções. O desemprego e o aumento dos preços também são vistos como empecilho para 40% dos pessimistas e 32% reclamam das leis e das instituições, que não favorecem o crescimento do país.
Considerando apenas as expectativas para seus negócios, 76% dos micro e pequenos empresários estão otimistas em algum grau, contra 6% de pessimistas e de 18% dos que acreditam que ficará como está. Em janeiro, os otimistas com o futuro da própria empresa eram 83%.
O empresário sempre é mais otimista com a sua empresa do que com a situação do país. Por mais que ele reconheça que se economia anda mal, sua empresa também é prejudicada, o empresário tende a se apegar ao fato de que uma boa gestão interna pode minimizar os efeitos negativos que vem de fora”, explica o presidente do SPC Brasil Roque Pellizzaro Junior

Apenas 27% viram melhora na economia nos últimos seis meses; quanto ao próprio negócio, 32% apontam melhora e 31%, piora
Em janeiro, 30% dos empresários consultados tinham a percepção de que as condições gerais da economia melhoraram. Passados seis meses, esse percentual oscilou para 27%. Quando a análise se detém ao próprio negócio, os entrevistados mostram-se divididos: para 32% houve melhora, enquanto 31% relatam piora no desempenho dos seus negócios.
Para quem considera o momento atual da empresa ruim, a queda nas vendas foi o ponto mais sensível com 71% de citações entre os pessimistas. Outros 31% disseram que houve aumento no preço de insumos e das matérias-primas e 19% apontam as dificuldades da concorrência no mercado em que atuam. Considerando os que tiveram melhora em seus negócios, 66% também citam o aumento das vendas e 26% a melhora na gestão interna.
Pensando nas vendas como um todo, diminuiu de 56% em janeiro para 44% em julho o percentual de micro e pequenos empresários que garantem ter tido um desempenho positivo nas vendas. Os que tiveram um desempenho fraco nas vendas passaram de 15% para 20%. Apesar da piora dos números, 63% dos entrevistados projetam uma melhora nas vendas para os próximos seis meses, contra 3% que apostam em queda e 31% que acreditam que o cenário não irá se alterar.
Metodologia
O Indicador de Confiança do Micro e Pequeno Empresário leva em consideração 800 empreendimentos do setor comércio varejista e serviços, com até 49 funcionários, nas 27 unidades da federação, incluindo capitais e interior. Quando o indicador vier abaixo de 50, indica que houve percepção de piora por parte dos empresários. A escala do indicador varia de zero a 100. Baixe a integra do indicador em https://www.spcbrasil.org.br/imprensa/indices-economicos
 

CNDL

 

Redação Paraná em Fotos

Portal Paraná em Fotos