Depois de um mês do acidente que matou oito pessoas no Paraná, o caso não foi adiante

 

Um mês depois de um grave acidente, que matou oito pessoas na Rodovia BR 277, entre Curitiba e o Litoral do Paraná, pouco mudou até aqui. O acidente foi num engavetamento, envolvendo 30 pessoas.  22 saíram feridos e oito morreram. O problema começou com a formação de neblina à noite, na região próxima à Curitiba. Além disso, uma queimada na mata próxima já provocava reclamações no dia anterior.
Era um domingo, e os motoristas que retornavam do litoral,  começaram a parar por falta de visibilidade na rodovia. Foi quando um  caminhão em velocidade causou um dos mais graves acidentes da história desta rodovia, ao bater em vários carros, matando as pessoas que tinham saído de dentro dos veículos, e que andavam  em direção ao acostamento.
No dia seguinte a Delegacia de Polícia defendeu o motorista, dizendo que não havia indícios de culpa. E que apresentaria um laudo, que até  hoje não foi divulgado. Também a responsabilidade da concessionária do pedágio foi  questionada. Na Assembleia Legislativa o Deputado Luiz Carlos Martins responsabilizou a empresa Ecovia pela falta de cuidados na sinalização e no monitoramento da estrada. Mas o assunto não teve andamento na tomada de providências que pudessem trazer mais segurança para a rodovia.