18 de abril de 2024
Economia

33% dos consumidores que pretendem ir às compras no Natal possuem contas em atraso

O final do ano é sempre um momento de aumento nos gastos principalmente por conta das compras de presentes e das comemorações. O consumidor precisa ficar atento aos gastos neste período para não comprometer o orçamento, principalmente se já estiver endividado. Uma pesquisa realizada pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil), em parceria com a Offerwise, nas 27 capitais do Brasil, mostra que 33% dos consumidores que pretendem presentear este ano possuem contas em atraso, sendo que 69% estão com o nome sujo.
O levantamento aponta também que 24% dos que devem comprar presentes no Natal costumam gastar mais do que podem e que 9% pretendem deixar de pagar alguma conta para adquirir os presentes, desta forma estima-se que 15,2 milhões de consumidores fiquem inadimplentes em seus compromissos financeiros devido às compras para a data. De acordo com os entrevistados, 9% devem deixar de pagar alguma conta para participar das festas de Natal e 8% farão o mesmo para participar das comemorações de Ano Novo.
De acordo com os consumidores, as principais contas que deixarão de ser pagas para comprar presentes de Natal ou participar das festas de fim de ano são: internet (19%), TV por assinatura (17%), conta de água/luz (16%) e cartão de crédito (13%).
O presidente da CNDL, José César da Costa, alerta para a importância de o consumidor evitar o excesso de gastos para não comprometer o orçamento familiar.
“Muitas famílias já estão endividadas, por isso a prioridade deve ser o pagamento das contas. O recomendável é não se deixar levar pelas emoções, e planejar as despesas de acordo com o orçamento, sempre priorizando a quitação de contas. Fazer uma lista prévia do que se deseja e pesquisar preços são as atitudes mais indicadas para não extrapolar o orçamento”, orienta Costa.
13% daqueles que compraram presentes no Natal de 2022 ficaram com o nome sujo
Segundo a pesquisa, 13% dos consumidores que realizaram compras de final de ano em 2022 ficaram com o nome sujo por causa das dívidas pendentes, sendo que 5% já limparam o nome e 8% ainda estão negativados. Em média, o valor das dívidas em atraso é de R$ 1.152.
43% dos filhos participam do processo de escolha dos presentes
A pesquisa revela que 43% dos entrevistados escolhem os presentes junto com os filhos, enquanto 42% escolhem sozinhos. Além disso, 15% têm a intenção de deixar de pagar alguma conta para atender as vontades de seus filhos com os presentes.
“O envolvimento da criança na escolha do presente pode ser uma oportunidade para os pais ensinarem noções de educação financeira. Aprender a lidar com frustrações é uma condição importante do desenvolvimento infantil e pode ajudar a criança a aprender o valor do dinheiro desde cedo, além de aprender a administrar as finanças sem ultrapassar os limites do que cada família pode gastar”, orienta Costa.

– CNDL/SPC Brasil