21 de fevereiro de 2024
Economia

79,3% dos brasileiros estão endividados e fazem rodízios nas contas do mês

Mais de 70 milhões de brasileiros perdem o sono diariamente porque estão endividados e encaram as taxas de juros mais altas do mundo, diante deste cenário o governo vai estimular o plano de negociação para os menos favorecidos.
A população de baixa renda (classe D e E) foi a que mais sofreu na pandemia e na crise econômica, pois a maior participação de sua renda era reservada para alimentação, justamente o que liberou o crescimento inflacionário do país nos últimos anos, com isso o número de endividados disparou.
Em maio deste ano, o número de famílias endividadas atingiu 79,3% do total de lares no país e nas famílias de baixa renda, inferior a 10 salários mínimos, o número superou os 80% pela primeira vez. De acordo com o levantamento do Instituto Locomotiva, 61% dos endividados tem o hábito de fazer rodízio de contas, ou seja, escolher qual dívida vai pagar no mês usando como base o valor dos juros e o quanto podem atrasar.
Atualmente, as taxas de juros dos cartões de crédito chegam a mais de 400% ao ano e uma dívida de R$ 1.000,00 contraída em janeiro, pode chegar a R$ 5.000,00 em dezembro. Já no cheque especial, as taxas de juros totalizam mais de 100% ao ano e uma dívida de R$ 1.000,00 do início do ano, pode fechar em R$ 2.300,00 no final do ano.
A inadimplência impacta negativamente no estado emocional do indivíduo. Segundo pesquisa nacional, as finanças causam estresse e conflitos familiares em mais de 60% dos brasileiros e apenas 21,9% se sentem preparados para lidar com uma despesa inesperada.
Para o especialista Fernando Lamounier, educador financeiro e diretor de novos negócios da Multimarcas Consórcios, a educação financeira é a solução. “É necessário que a educação financeira seja cada vez mais incentivada. A consciência de gastos e o planejamento para realização de grandes projetos beneficia não apenas o detentor do dinheiro, mas todos ao seu redor. Alguns países já implementaram a educação financeira na grade acadêmica, o Brasil precisa investir mais neste sentido, a base é o caminho para uma sociedade menos endividada”.
O uso da regra 50, 30, 20, ajuda na organização das finanças e prioriza as despesas mais importantes, evitando o endividamento. A regra financeira é simples e separa o orçamento em três partes: 50% para gastos fixos e essenciais, 30% gastos variáveis e que podem ser cortados caso necessário e 20% para investimentos ou criação de um fundo de reserva.
Para entender melhor a regra, o especialista fez uma simulação com um salário de R$ 2 mil. “Com essa renda por mês você consegue separar R$ 1 mil para gastos fixos, R$ 600,00 com gastos variáveis e R$ 400,00 para investimentos ou reserva de emergência, que deve ser encarada com seriedade”.
Lamounier também alerta para a importância de acompanhar de perto as receitas e as despesas para poder se manter sempre no azul. “Identificar os pontos de melhoria,  analisar o mercado e traçar os seus objetivos é o básico para o planejamento anual, assim você estará preparado para longos períodos e evitará endividamentos”, finaliza.

– Liberação de imprensa