18 de abril de 2024
Pequenas Empresas e Startups

Os dez erros que mais levam empresas à falência no Brasil

 
Com cinquenta anos contínuos de trabalho, o administrador de empresas, Waldemar Dotti, afirma que é mais fácil um negócio ir à falência por uma série de pequenos erros do que por um grande erro. Veja a entrevista dele na TV Band Paraná. 

 

 

 

Principais erros que quebram empresas:

 

1 – Não ter um plano de negócios. 
É um dos principais erros, por ser um passo fundamental a ser dado antes de abrir a empresa. E leva a decisões financeiras equivocadas e a perda de tempo. Um plano de negócios bem desenvolvido dá mais visão sobre o negócio, e uma análise mais correta de sua viabilidade.
2 – Desconhecer o mercado em que irá atuar.
Muitas pessoas acabam por deixar o seu emprego para empreender, mas erram na escolha do nicho de mercado. O exemplo visto em uma outra região que deu resultados, não é garantia que vai funcionar em outra. Entrar em um mercado em que o profissional já tenha conhecimento é muito mais seguro, com mais chances de sucesso.
3 – Misturar as finanças da empresa com as pessoais.
Deve ficar bem claro que as finanças pessoais são uma coisa (Pessoa Física), e as da empresa são outra (Pessoa Jurídica). O correto é o dono se colocar apenas como se fosse um colaborador de sua empresa, com um pró-labore definido. E não confundir o pró-labore com o lucro da empresa. As vantagens e benefícios existentes em grandes empresas, como empréstimos e carros, não devem ser utilizadas em benefício dos donos. O papel da empresa é gerar lucros. E os lucros futuros é que vão trazer os benefícios pessoais. O dinheiro da empresa deve ficar reservado para situações de queda nas vendas, e crises econômicas. E como capital de giro.
4 – Contratar pessoas sem a competência necessária.
Este é um dos erros mais graves, e ocorre muito quando se contrata amigos e familiares para cargos de responsabilidade, sem que eles tenham preparo. Contando também com as brigas, que geralmente acabam com as empresas de gerenciamento familiar. Em qualquer atividade na empresa, o colaborador realmente deve ser capacitado para isso. Este erro é mais difícil de ser identificado, e geralmente só aparece quando já é tarde. Em um mercado competitivo, as empresas precisam dos melhores profissionais nos cargos chave. 
5 – Não estabelecer metas aos colaboradores.
Deixar de definir metas aos gestores e colaboradores é um erro, pois é através disso que a empresa vai ficar mais eficiente e competitiva. Mas devem ser metas com objetivos alcançáveis para os colaboradores, e com apoio, como  treinamentos, cursos ou bolsas de estudo.
6 – Tomar decisões sem planejamento e conhecimento dos riscos.
Este erro é muito comum entre pequenos empresários, principalmente aqueles que não tem ao menos algum conhecimento sobre a administração de negócios. Decisões precipitadas e falta de planejamento podem gerar grandes prejuízos.  E se o negócio já está crescendo, e o dono não tem o devido conhecimento de planejamento, é hora de contratar um profissional com capacitação e experiência. Sem isso, apenas uma decisão errada na contratação de pessoas, compra de máquinas, ou lançamentos de novos produtos, podem quebrar a empresa.
7 – Tomar empréstimo ou financiamento sem receita assegurada para o pagamento.
A falta de planejamento, de atualização com as notícias da economia e a precipitação, que levem a um financiamento sem uma análise profunda sobre o retorno, é um erro muito grave. Empresas novas, que fazem grandes financiamentos, podem comprar máquinas que fiquem ociosas, gerando prejuízos e não lucros, o que é um motivo frequente de falências. É importante fazer o mínimo de financiamentos possível. Muitas vezes criar mais um turno de trabalho, tirando mais produtividade das máquinas, é muito mais econômico do que comprar ainda mais máquinas.
8 – Não ter respeito pelos colaboradores
Perder o respeito com os próprios colaboradores é muito prejudicial para o sucesso do negócio. Isso reduz o desempenho e o estímulo da  equipe. O colaborador também é um  cliente interno, e o principal aliado. E deve ser valorizado e respeitado.  Mas não se deve deixar  que eles confundam o bom relacionamento com uma amizade pessoal. A relação é de parceria profissional.
9 – Colocar todos os ovos em uma cesta só.
Fazer investimentos ou aquisições pensando em apenas um determinado tipo de cliente é arriscado.  É melhor ter vários tipos de clientes, e um mix de produtos. Empresas que segmentam demais o seu público, entram em crise com as mudanças do mercado e da economia, ou com a sazonalidade de alguns setores.
10 – Achar que sabe e pode tudo.
Este é um dos piores erros que um empresário pode cometer. E que mais rapidamente pode levar à falência. Ninguém conhece profundamente todas as áreas. E o risco aparece quando o ego fala mais alto nas decisões importantes.  As leis trabalhistas ainda são rígidas, e a fiscalização mais presente. Outro exemplo agora é a nota fiscal eletrônica, que controla todo o sistema para que nada escape  da arrecadação. O proprietário deve reconhecer quando a sua situação administrativa passa a ser complexa, e contratar quem  realmente entende do assunto. E saber que nem tudo aquilo que funcionou no passado, ainda funciona hoje. As leis estão aí, sempre há mudanças no quadro, e o poder de influência que existia antes está mudando. Finalmente deve ter humildade  para ouvir a todos na empresa. E para saber quando é hora de passar o bastão para quem é competente para prosseguir com a administração de seu negócio. 

Waldemar Dotti: http://www.dotticonsultores.com.br

Telefone: 41  99903 5160

 

 

Redação Paraná em Fotos

Portal Paraná em Fotos