29 de maio de 2024
Geral

Setor de eventos em aquecimento no Paraná

 

Curitiba realizou mais de 200 eventos com 334 mil participantes em 2018 e projeta um crescimento superior a 30% a partir de junho deste ano

A Associação Brasileira de Empresas de Eventos e o Sebrae realizaram uma pesquisa que apontou faturamento de aproximadamente R$ 209 bilhões e crescimento anual de 14% no segmento de eventos no Brasil. O setor alcançou a marca de 202 milhões de participantes e gerou 7,5 milhões de empregos cinco anos atrás. Em 2018, depois de um primeiro semestre com instabilidades econômicas e políticas o setor apresentou crescimento e se manteve como um dos que mais crescem no país. 

Em Curitiba, somente no ano de 2018, de acordo com dados do Convention&Visitors Bureau, o total de eventos chegou a 218, com a participação de mais de 334 mil participantes. O número de turistas que participaram desses eventos chegou a quase 108 mil, simbolizando um retorno financeiro aos estabelecimentos localizados na cidade de R$ 149 milhões. 

“O maior desafio do setor é saber se vender. Privilegiar ações aonde o trade – público e privado – trabalhe conjuntamente a imagem, os diferencias, produtos e serviços do destino direcionados aos eventos. Somos, ainda, muito individualistas nas ações de captação de eventos para o destino”, fala Cristine Fabbris, captadora de eventos do Grupo Positivo. “Precisamos criar oportunidades de divulgação com públicos-alvo específicos e que tenha pré-disposição para comprar o nosso produto. Somos uma cidade organizada, com custo extremamente competitivo e qualidade percebida acima da média no país”, reforça. 

Para a empresária Fernanda Skraba (foto), sócia-diretora da Mark Messe organizadora de eventos, o maior desafio nos dias de hoje é adaptar-se às novas tendências e formas de participar de eventos. “Os participantes buscam experiências e o envolvimento é fundamental para atingir os objetivos propostos e ter um evento bem-sucedido. Com o avanço dos meios tecnológicos, cada vez mais as ideias para eventos corporativos se apropriam de ferramentas e dispositivos para trazer mais interatividade aos participantes possibilitando inclusive de estender o evento a um público que está em outros locais, sem necessariamente ter a presença física. 

Outros fatores que criam uma experiência a esse participante é a cenografia, ambientação e serviços básicos e fundamentais para a permanência dele naquele ambiente, além dos temas e palestras que devem criar uma ligação direta do interlocutor ao público. Hoje não se busca tão somente gerar negócios e capacitação, busca-se relacionamento, fidelização e aperfeiçoamento”, comenta.

A Mark Messe tem em seu escopo de trabalho desde o planejamento estratégico do evento, até seu acompanhamento e desenvolvimento. “Em nossos quase dez anos de trabalho, mantivemos a essência do comprometimento com todas as etapas do processo de um evento tornando o atendimento personalizado. Mantemos a preocupação da constante avaliação do mercado, adequação e capacitação de modo a obter resultados satisfatórios nos projetos. Além disso estamos inseridos e engajados no trade de forma a contribuir para o desenvolvimento do setor de eventos”, fala. 

Alta em 2019

De acordo com Fernanda, a Mark Messe registrou um crescimento de 50% no volume de eventos em 2018. “Somos especializados em eventos técnico/científicos e feiras de negócios. Passamos de 10 para 15 eventos de grande porte, considerando eventos acima de 1 mil participantes cada”, destaca. 

“Estamos estudando alguns investimentos para ampliar a gama de serviços para seguir confiante no mercado”, completa Fernanda Skraba. A expectativa da empresa para o próximo ano é ofertar mais serviços aos clientes pelo mesmo valor da organização. Com isso, projeta um crescimento superior a 30% a partir de junho de 2019. 

“Curitiba é, definitivamente, um destino competitivo! Nas campanhas de captação de eventos, o recorrente histórico de eventos exitosos e a avaliação positiva dos congressistas referente ao destino e a qualidade de nossos produtos e serviços facilita as ações de prospecção e efetiva captação”, acrescenta Cristine Fabbris. “Os anos de 2017 e começo de 2018 foram bastante árduos para a captação pelas incertezas políticas e econômicas que o país atravessou. Passada essa fase, estamos trabalhando fortemente para que o incremento nas captações ultrapasse o número de eventos realizado neste ano”, finaliza.

                                                                                                                                                                                    Divulgação.

Redação Paraná em Fotos

Portal Paraná em Fotos